top of page

Sexo não é só penetração

Apenas 30% das mulheres sentem orgasmos durante a penetração. O número sobe para 72% quando se masturbam

São comprovados os inúmeros benefícios do orgasmo, entre eles a diminuição do estresse e a melhora do humor e da ansiedade. Porém, ele não está associado diretamente ao sexo e sim ao autoconhecimento. Afinal, o prazer não se resume apenas a penetração. O prazer também pode ser sentido através do estímulo nas zonas erógenas. Ao associar o prazer unicamente à penetração, perde-se a chance de conhecer, estimular e satisfazer o próprio corpo -- e também o do parceiro. Se tocar e entender os pontos e formas que proporcionam a excitação é importantíssimo”, explica Viviane Monteiro, ginecologista especializada em medicina fetal e gestação de alto risco, parto humanizado e saúde da mulher.

E por quais motivos a penetração é tão valorizada durante o sexo? Chiara Luzzati, CEO e fundadora da Lubs, empresa especializada em sexual-care, conta que “Ainda existem muitos mitos relacionados ao prazer e eles acabam sendo repetidos em função do que é visto e muitas vezes aprendido através da pornografia e construído em uma sociedade machista. O clitóris, órgão fundamental para o prazer feminino, pode acabar sendo coadjuvante. Desta maneira, cria-se a cultura de que o sexo se resume apenas a penetração, ocasionando o que as pesquisas vêm mostrando: muitas mulheres nunca sentiram um orgasmo”. A médica Viviane Monteiro completa afirmando que segundo pesquisas, apenas 30% das mulheres sentem orgasmos durante a penetração. "Porém, o número sobe para 72% quando se masturbam”.

A ginecologista também conta que, além da pornografia, a história construiu a narrativa de que o clitóris não merecia atenção. O médico Andreas Vesalius, no século XVI, afirmou que mulheres saudáveis não possuíam o órgão. Já em 1486, o guia “Malleus Maleficarum” dizia que quem possuía clitóris deveria ser "caçada", pois era considerada uma bruxa. E tem mais: pacientes diagnosticadas com “histeria” em 1800 tinham seus clitóris removidos. Freud, em 1905, acreditava que o prazer clitoriano era obtido através de uma sexualidade imatura.

A ignorância a respeito do prazer, do autoconhecimento e do funcionamento da anatomia do clitóris se espalhou pelo tempo. Felizmente, e através de informações recebidas atualmente, o sexo vem se desconstruindo e os homens estão mais dispostos a entenderem o que dá prazer para as suas companheiras. Porém, ainda vivemos em uma sociedade patriarcal”, afirma a ginecologista.

Promover um diálogo aberto e constante sobre o assunto é sempre o primeiro passo. Hoje, temos opções no mercado que auxiliam as mulheres a atingirem o orgasmo. Vibradores e lubrificantes estão aí para serem usados a sós ou acompanhada!", comenta Chiara.

50 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page