top of page

Estrias: o que são e como tratar as cicatrizes que tanto incomodam as brasileiras

A dermatologista Dra. Renata Porphirio destaca as principais causas e dicas de tratamento




Foto divulgação: banco de imagens

Embora a maioria das brasileiras possuam estrias, é fato que as cicatrizes incomodam e afetam a autoestima de muitas delas. As estrias nada mais são que rupturas da pele, cicatrizes, causadas quando a elastina e o colágeno da pele se rompem por algum estiramento, algum crescimento rápido da região.


Segundo a dermatologista do The Corner Sports & Health, Dra. Renata Porphirio, um dos casos mais clássicos é o crescimento repentino na adolescência, principalmente, quando tem um boom hormonal na mulher ou quando tem um excesso de aumento de peso. “Na gravidez também é bem comum. O neném vai crescendo, a barriga da mãe vai se distendendo e vai rompendo as fibras de colágeno e elastina, causando as cicatrizes”.


Resumindo, tudo que vai distender mais rápido a pele como aumento de peso, gravidez, prótese mamária, aumento de músculo, são as causas mais comuns em mulheres. A dermatologista reforça que as regiões do corpo mais propensas ao surgimento de estrias são mama, abdômen, posterior de coxa, glúteo e até as costas.


As estrias podem ser brancas, vermelhas e roxas. A estria avermelhada, roxeada, é uma estria recente onde tem o processo inflamatório ainda ligado ao início desse rompimento. Essa é a melhor época para iniciar o tratamento. “Vamos tratar os vasos e estimular o colágeno da região. Já a estria branca é uma estria mais antiga, uma cicatriz, que já passou pelo processo inflamatório e o corpo já respondeu àquilo, causando um tecido de reparação, de cicatriz. Então é muito mais difícil de se tratar”, explica a dermatologista.

Os tratamentos para combater as estrias são diversos. Dra. Renata Porphirio reforça que geralmente o ideal é associar mais de um tratamento. “Dos mais básicos, que são os peelings químicos, até os tratamentos à laser. Temos uma gama enorme de aparelhos, de tecnologias para serem usadas. Para a cor é muito bom o Fotona Starwalker, laser de vaso para tirar o vermelho do processo inflamatório. Para estímulo de colágeno temos a opção com o Fotona Dynamis”.


Outros procedimentos como o microagulhamento com radiofrequência potencializam o estímulo de colágeno, além da dermoabrasão e ainda a subincisão, quando vai soltando as fibroses da estria por meio de uma agulhinha ou uma cânula.


O ressecamento da pele é o que pode piorar o aspecto das estrias. Então como cuidado básico para o dia a dia para tentar prevenir ou então amenizar o impacto do crescimento da região da pele, é a hidratação. Quanto mais hidratante melhor. “Às vezes se a paciente não gosta tanto de hidratar eu falo pra passar um hidratante mais leve no restante do corpo e um hidratante mais consistente nas áreas com maior propensão à estria”, finaliza a dermatologista.


17 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page