top of page

Como não ser escrava do seu escritório de advocacia

A advogada e empreendedora serial Andressa Gnann dá orientações para as mulheres advogadas que querem ter sucesso na área


Foto divulgação: Andressa Gnann


O sucesso de um escritório de advocacia não acontece por acaso. É preciso ter um bom planejamento estratégico, habilidades eficazes de gestão, marketing e vendas, além de, é claro, compromisso com a excelência e especialidade. Muitas advogadas sentem dificuldade ao entrarem no mercado de trabalho e até desistem da profissão. Para mudar esse cenário é preciso pensar na advocacia como um empreendimento como qualquer outro.

Segundo Andressa Gnann, advogada expert em Direito de Família para mulheres e sócia fundadora do escritório Gnann e Souza Advogados, a advocacia por si só possui grande concorrência. Ela explica que, no Brasil, há mais de 1 milhão de advogados, sendo que, no caso das advogadas mulheres, muitas vezes, além do trabalho, ainda precisam dar conta de casa, filhos e estudos. “Elas ficam sobrecarregadas e tendem a desistir. Isso acontece em todas as profissões. E sabemos como é difícil o início da advocacia! Para quem ainda concilia com a maternidade, como é meu caso, sobreviver e se manter na advocacia é uma arte”, argumenta.

De acordo com Andressa, quem pretende seguir com a profissão de forma autônoma e quer ter flexibilidade para conciliar carreira com a maternidade, deve investir em alguns pontos iniciais importantes. “Primeiramente, entenda que seu escritório de advocacia é uma empresa, mesmo que você trabalhe sozinha. Aprenda a técnica sobre um nicho ou uma área específica, mas acima de tudo, aprenda sobre gestão e marketing ou tenha um sócio(a) que a complemente”, explica.

Para a advogada, gestão, marketing, vendas e foco em uma especialidade são fundamentais para o escritório se manter competitivo frente à concorrência. “Ainda existem muitos advogados que não entenderam como é a nova advocacia e acreditam que saber a técnica é suficiente”, diz.

A advogada e empreendedora também reforça a importância do networking. “Existem três formas de networking que ajudam para o crescimento. A primeira é estar nos lugares em que seus clientes estão; a segunda é ter parceiros em outras áreas; e a terceira é ter mentores, pessoas que já passaram pelo o que você passou e que cresceram na área. Esqueça aquela competitividade desnecessária que nos é passada desde a faculdade. Se inspire e cresça mais rápido, você não precisa reinventar a roda”, sugere.

Outro ponto relevante mencionado pela fundadora do escritório Gnann e Souza Advogados é o investimento em marketing. “É fundamental desenvolver uma presença forte na internet para atrair clientes e mostrar o que o escritório pode oferecer, tudo isso, dentro das regras da OAB. Além disso, mantenha sempre uma comunicação clara e transparente com os clientes, de forma com que eles sintam confiança em seu trabalho”, conclui.

32 visualizações0 comentário

Comentarios


bottom of page